O outono sob o olhar do Ayurveda - entrevista com Bruna Fornazari

Atualizado: 19 de mai.


Entrevistamos a terapeuta e nutricionista Bruna Fornazari, especialista em ayurveda, que gentilmente nos contou sobre como o outono influencia nossa vida.


Confira a entrevista inédita =)



Qual a visão do Ayurveda relacionada ao outono?

O outono descrito pelos textos clássicos do Ayurveda segue o padrão de estações da Índia. Lá, ele é frio e úmido e vem numa sequência de época chuvosa. Por esse motivo, devemos adaptar o entendimento do impacto das condições meteorológicas (calor, frio, umidade, secura e vento) para o local onde habitamos.


De que maneira o outono influencia o nosso corpo e a nossa saúde, dentro da perspectiva do Ayurveda?

O outono no Brasil traz características de frio, em várias regiões também características de seco. Isso aumenta as qualidades frias e secas do nosso corpo, o que pode ser agradável e reduzir alguns desequilíbrios, principalmente em pessoas que têm qualidades prioritariamente quentes e úmidas/oleosas; ou pode ser desagradável e aumentar outros desequilíbrios, como em indivíduos que já têm características de secura e frieza. Essas oscilações acontecem de acordo com as características metabólicas individuais.


No outono o agni (fogo que rege nosso metabolismo) aumenta para manter a temperatura corporal e isso favorece os processos digestivos, então por esse motivo temos mais fome nesta estação.

Quais são os principais doshas que sofrem com esta estação?

O principal dosha agravado é o Vata. O Kapha começa a se acumular no corpo nesta estação e será agravado no inverno.

O outono é conhecido por acentuar as alergias respiratórias. Você sugere alguma prática para prevenir estes efeitos da estação?

As alergias pioram no outono se o indivíduo tem baixa capacidade metabólica, imunidade desregulada e intestino permeável. Além disso, os fatores ambientais desta estação, como poluição, pólen e partículas no ar aumentam os quadros alérgicos. Para prevenir as alergias respiratórias é importante evitar alimentos que obstruem o fluxo de energia do corpo (abhisyandi, segundo Ayurveda), como leite e derivados (exceto manteiga ghee de boa procedência). Deve-se incluir na rotina o consumo de chá de alcaçuz, alfavaca, manjericão, gengibre e cúrcuma duas vezes por dia. Fazer uma mistura de 1 colher de sobremesa de mel (cru) com 1 colher de chá de especiarias em pó (gengibre, cúrcuma, cardamomo) e ingerir pela manhã e à noite, se estiver com muco nas vias respiratórias. Cuidar do processo digestivo é fundamental para evitar alergias.


Além disso, independente dos fatores alérgicos, é importante evitar suprimir necessidades fisiológicas (evacuar, urinar, tossir, espirrar, soltar gases, bocejar, menstruar) e dormir durante o dia. A prática de atividade física deve ser feita com mais frequência porque tendemos a ter mais força e disposição em temperaturas mais amenas, e por esse mesmo motivo, é melhor que se faça pelo período da manhã do que próximo ao almoço.

Esta estação pede cuidados devido ao tempo seco, com aplicação de óleos nutritivos na pele, como o óleo de gergelim, o mais indicado pelo Ayurveda. Sempre o aqueça antes de fazer a oleação, pois caso esteja frio, poderá bloquear os canais e será prejudicial aos tecidos. Durante a auto-oleação, o ambiente não deve estar muito frio para que o óleo não esfrie completamente no seu corpo. Faça movimentos deslizantes na pele e circulares nas articulações, percebendo o seu toque com o óleo quente, que traz o afeto que ele naturalmente proporciona. Para melhorar a absorção e metabolização do óleo na pele, é indicado o uso de sauna por 15 minutos após a sua aplicação. Se não for possível, apenas tome um banho morno após a autoaplicação. Esta prática de auto-oleação (abhyanga), pode ser feita pela manhã. Evite fazer à noite, que é o período de pouca demanda digestiva para o corpo. Se houver a prática de exercício físico matinal, a oleação pode ser feita antes ou após. Evite caso esteja com febre, menstruada, com indigestão.


Quais alimentos, e cuidados com a alimentação, devemos priorizar nesta época do ano?

Nesta época do ano é importante priorizar alimentos cozidos, raízes/tubérculos, como mandioquinha, mandioca, inhame, batatas, cenoura, beterraba, abóbora; além de cereais bem cozidos e molhados, como arroz empapado com caldo bem temperado; gorduras de boa qualidade, tais como óleo de abacate, azeite, gergelim; feijões fáceis de digerir, como o moyashi e a lentilha vermelha.

Consumir alimentos na forma de sopas, caldos, molhos, pois traz o elemento água que é reduzido pela estação. Por isso evitar alimentos excessivamente secos e, se consumidos, fazer em preparados cremosos – como por exemplo a aveia, que é seca, optar pelo seu cozimento e com creme, como o mingau de aveia. As frutas podem ser cozidas e combinadas com especiarias, principalmente se seu consumo in natura provocar sintomas como gases ou estufamento. A escolha de cozinhar a fruta ou não deve depender da força digestiva de quem irá consumi-la. Por isso a auto-observação é importante.

Usar especiarias no preparo dos alimentos traz o elemento fogo, que contribui para alquimia da digestão e metabolismo, com ações antiinflamatórias e antioxidantes importantes para a regulação da nossa imunidade, saúde intestinal e de todos os tecidos. O consumo de chás deve ser frequente, também pelas ações digestivas, antioxidantes e antiinflamatórias.

Quais ervas e especiarias são indicadas no outono?

Gengibre, cúrcuma, erva doce, endro, funcho, hortelã, manjericão, alecrim, camomila, alfavaca, tulsi, anis, alcaçuz, capim santo, melissa, canela, noz-moscada, cominho, cardamomo, feno grego, pimenta, mostarda em grãos, coentro em grãos e folhas, alho, cebola, cebolinha, salsinha, alho-poró, orégano, tomilho, sálvia.

Alguma mensagem que gostaria de deixar para os leitores e leitoras do blog?

Pratique a auto-observação e irá entender o que seu corpo está dizendo a você. O corpo se comunica o tempo todo com você. Perceber isso é muito importante para fazer as suas escolhas não apenas alimentares, mas escolhas de vida.





Bruna Fornazari é graduada em nutrição pela Universidade Estadual Paulista- Unesp e mestre em Patologia pela mesma universidade. Terapeuta ayurvédica formada em 2014 pela Escola Yoga Brahma Vidyalaya. Realizou cursos de extensão em Ayurveda na Índia, em 2012, pela Escola Hemadri Ayurveda Centre (Rishikesh) e em 2017 pela escola Shree Vishwangada Ayurvedic Clinic (Pune). Atualmente mantém seus estudos em Ayurveda com Vaidyas (médicos formados em ayurveda na Índia) em grupos de estudos e através da escola Vida Veda, onde ministra aula de Nutrição em um dos cursos oferecidos. Desde a sua graduação também vem se aprofundando em bioquímica dos nutrientes, epigenética, microbiota, fitoterapia, aromaterapia e nutrição funcional sob a ótica da nutrição integrativa.


Confira página da Bruna aqui.

98 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo